Prisões

Agressividade um tom acima. Ela avança sinais e se descobre presa. Nessa prisão não há colegas de cárcere, não há troca de cigarros por proteção. Não há corajosos e medrosos. Não há canecas batendo nas grades.

Nessa prisão não há vigia. Nem delegado, nem segurança. Não tem alarme, não tem portas de ferro que mais parecem proteção contra radiação nuclear. Não tem arma, não tem polícia, não tem autoridade.

Na prisão onde ela entrou, não tem sequer aquela janelinha quadradinha por onde se vê o sol nascer. Não há hora do futebol, das refeições e nem banho de sol. Não tem uniforme, não tem indulto.

Na prisão onde ela está não há paredes, portas, grades. Não há sequer celas. Não tem quem a prenda. Não tem algema, não tem carcereiro e nem regras.

Nessa prisão só entram os mais intensos. Os que sentem. Os que querem sofrer. Ela está nessa prisão e vê celas, algemas, vigias, armas, uniformes, canecas, pânico, choro, violência.

Dessa prisão ela só sai quando olhar pra dentro.

freedom

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: