A caça em terras de caçador

Show da banda El Efecto no auditório da Rádio Canal Brasil revigora o espírito para mais dias de luta

Show na rádio Canal Brasil. Foto: Marcio CS

Por Mariana Gomes – fã

Uma viagem dialética e epistemológica que simplesmente não poupa ninguém. Durante cada momento, os que têm ou não história com a banda apenas se entregam. É uma entrega recíproca e totalmente aberta. Os corações parecem interligados, na mesma sintonia. O sentimento de luta nasce pra todos. Esse show definitivamente contribui com isso. Não é fácil conseguir tamanha entrega diante de músicas tão complexas. Cada um se sente completo e percebe que cada nota e cada palavra foram dedicados à humanidade e ao sonho eterno de que as utopias alcancem cada vez mais corações.

Fingidor aquietou as cabeças pra o que viria depois. Um ciclo momentâneo de paixões compartilhadas. De sonhos ateus e revolucionários presentes no mais cristão ouvinte.

Ao centro um multi-instrumentista visivelmente emocionado como sempre. De talento indiscutível, Thomas compartilha com cada um suas inquietações à flor da pele. Numa guitarra bela instrumentando a revolução sonora, Bruno aceita a condição de questionador mor. Os vocais essenciais para a harmonia entre o ódio que nos é imposto a cada canção e a paixão pela liberdade exigida nas letras gritam amor ao próximo e solidariedade entre cada ser. Os instrumentos de sopro também estão em total harmonia com a coreografia tímida e solta dançada por ele.

O suporte não poderia ser melhor. Uma bateria lindamente inconsequente, no melhor sentido da palavra, dá o tom do sentimento geral: um desejo de ressignificar a necessidade de resistência. Gustavo dá o tom do peso. É muita responsabilidade, mas aquele estúdio ficou pequeno para a leveza casada com tanta força imposta nas caixas. A voz de Pablo é encantadora e alia-se ao domínio da guitarra que parece estar de olhos fechados, entregue à proposta de provocar. Eduardo fica na dele, mas deixa seu baixo interagir com os outros instrumentos gerando um êxtase em todos eles. A combinação perfeita está aí.

Lampião em sua quase sangrenta briga com Eike Batista sorriria marotamente ao ouvir uma das grandes pérolas recentes dá música nacional. Se não a maior delas. Dançando um contagiante xaxado pudemos sentir a presença do chefe do bando bandido, deixando a lição que permearia mundo moderno: a distinção entre o preço da ganância e o valor da vida, do amor, dá glória.

O abril vermelho chegou em novembro naquele estúdio. As palavras levadas com bom humor pela plateia eram seríssimas. A defesa dos movimentos sociais em pleno espaço global geraram aplausos sem qualquer desconforto. No mais, pedras São sonhos na mão. São essas nossas únicas armas? Não pra quem tem El Efecto pra cantar aos berros.

Veja fotos do show na galeria de Marcio CS.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: